Pessoas comuns imaginam o trabalho que realizam como uma “venda”. Elas se especializam em uma área e procuram uma empresa que esteja disposta a comprar delas esse trabalho. Mas ao invés de vender a sua especialidade, é interessante ir mais além e pensar que elas vendem horas do seu dia.

Ou seja, as pessoas normalmente mantêm certa distância do próprio trabalho e vendem algum tempo do dia realizando aquela tarefa. Vendo de um espectro mais amplo, a maioria dos seres humanos vendem uma parte da sua vida.

Longe de ser uma visão errada, é apenas um modo de encarar a vida profissional. Funciona muito bem para a grande maioria das pessoas. Além de que é tão normal quando um animal que gasta horas para buscar sua comida.

Mas quando se trata de um CEO, um empreendedor, um empresário, em suma, um líder, essa visão pode não ter o mesmo resultado. Devido à responsabilidade do cargo, é preciso ter uma visão mais estratégica.

Isso porque um CEO não possui a mesma “liberdade” do funcionário, pois suas áreas de atuação são mais abrangentes. E isso é bom, pois permite que ele seja o CEO de sua própria vida. Mas o que vem a ser isso?

Ao entender que sua vida pessoal está fortemente conectada com seu trabalho, ele pode visualizar a si mesmo como um líder, não só da empresa, mas da própria vida. Aprenda um pouco mais sobre o rumo a tomar no trabalho e na vida pessoal com uma estratégia mestra de sucesso.

O que é ser o CEO da própria vida?

É ser um chefe visionário, aquele que dá a ultima decisão e é responsável por 100% dos resultados dos negócios. O pai da administração moderna, Peter Ducker, disse uma vez que a tarefa do CEO é buscar um sentido fora da empresa. Segundo ele, esse líder precisa visualizar lá fora, no mundo exterior, o que é possível, viável, necessário e desejado. E através da sua conclusão, criar uma ponte para o interior da empresa, para que ela supere os resultados almejados.

Baseando-se nisso, ser CEO da própria vida é olhar para o mundo exterior e visualizar quais são as possibilidades, as demandas, tendências e necessidades que você pode suprir. E depois disso, voltar-se para o mundo interior do “eu” e combiná-las às paixões, desejos e habilidades.

A dificuldade da maioria das pessoas que não têm sucesso vem do fato delas focarem na parte interna da empresa. Os problemas corriqueiros com o excesso de trabalho, relações com os colegas e os resultados da empresa tendem a ofuscar a visão para o exterior. Elas poderiam olhar para o mundo ao redor e se perguntar: o que os maiores CEO’s estão realizando nesse momento? O que posso oferecer que ninguém mais está oferecendo? Quais os produtos ou serviços que as pessoas estão buscando sem sucesso? E eu posso resolver o problema delas?

Como um CEO da própria vida, você está sendo vitorioso na vida e no trabalho?

É importante entender que o CEO da própria vida não possui chefe. Se você deseja se tornar um, precisa criar seus próprios objetivos e metas. Deve compreender o que você realmente quer e focar nisso para atingir o resultado esperado.

É preciso ter uma estratégia para vencer, baseando-se no que foi dito acima. Analise onde vale a pena jogar e gastar seu tempo. Se o jogo não estiver dando resultado, não espere a partida acabar e procure outro.

Além disso, é preciso ter a compreensão de que o trabalho se conecta ao que você faz fora da empresa. Ser o CEO da própria vida é entender a harmonia que há na interconexão entre hábitos pessoais e hábitos no trabalho; entre relações pessoais e relações de trabalho; entre estratégia pessoal e estratégia de negócios.

É como se a vida desse profissional fosse uma orquestra, e ele é o próprio maestro. Ele precisa ter a habilidade de coordenar todos esses instrumentos em um único tempo e ritmo, até criar a harmonia.

Encontre um time que não se satisfaz com pouco

Depois que compreender esse conceito, encontre um treinador e uma equipe. Para ser o CEO da sua vida você precisa reconhecer que não fará tudo sozinho. É preciso ter alguém que entenda exatamente como que é subir esse degrau. Essa pessoa ajudará a trilhar esse caminho. Também é preciso contar com ajuda de bons profissionais. Pois é verdade que o time que geralmente vence é o que possui os melhores jogadores.

A nossa cultura ensina-nos que uma pessoa adulta precisa achar a solução para seus problemas sozinha. Mas quando vemos o mundo dos negócios, isso se torna uma mentira. Os melhores CEO’s tiveram excelentes treinadores e contaram com uma equipe vencedora. Se os maiores do mercado necessitaram de um time, você que quer entrar entre os grandes também vai precisar.

Como CEO da própria vida, você precisa estabelecer quanto deseja ganhar. O fundador do Pay Pal recomenda criar um “princípio do poder”. E isso não tem nada a ver com a visão clássica de “escalada” na empresa, que visa chegar ao topo para dizer: “Olhem para mim, sou o vice-Presidente!”. Ninguém se importa com isso.

O princípio do poder tem a ver com a escolha da companhia certa para se trabalhar e a equipe correta para realizar o trabalho. Você estará criando uma base muito forte para que o negócio prospere.

Compreender a necessidade de administrar o trabalho com uma estratégia poderosa, levando sempre em consideração a vida pessoal, é o que fará de você o CEO da própria vida. Depois que perceber a importância disso, saiba que você será responsável por todos os resultados que terá, os bons, os excelentes, os maus e também os péssimos. Abaixo você encontrará um plano que vai lhe ajudar a atingir esses resultados.

Plano Estratégico em 3 partes

1. Como está sua performance como CEO da própria vida?

Você possui uma vida com propósitos e objetivos, e faz com que ela tenha sentido e faça a diferença? Você já se aproximou ou atingiu o nível que deseja na organização ou está em cima de um teto de vidro? Você acha que o universo conspira a seu favor ou você está sendo ignorado? Você está fazendo a quantia de dinheiro que deseja?

2. Quais são os objetivos e prioridades da sua estratégia de negócios?

Pense em um propósito central para as suas aspirações. Depois, escreva uma lista com todos os seus objetivos. Então se pergunte: quais são meus objetivos para daqui a seis meses? Dobrar o lucro da empresa? Subir de cargo? Arranjar um novo emprego? Divida o ano em quatro partes, e então crie uma prioridade por trimestre. Dessa maneira você saberá, de maneira mais clara, o que terá que fazer para atingir seus objetivos.

3. Quais são seus principais obstáculos?

Faça uma lista com as quatro prioridades do ano. Depois, liste abaixo de cada uma delas os maiores obstáculos para atingi-las. Então, pense em formas de superar cada um dos obstáculos e liste-os também. Se for possível, chame um parceiro para lhe ajudar a pensar.

Esse é o ponto de autoanálise. Veja como está o seu desempenho e tente encontrar possíveis problemas. Como está sua energia? Sua saúde vai bem? Você precisa fazer exercícios, dietas? Como você pode equilibrar tudo isso?